09 dezembro 2016

Novas do desaparecimento do "Pero de Alenquer"

                                                                                   

(clicar nas imagens para ampliar)


Este artigo de jornal, de 1947, faz referência ao desaparecimento de embarcações encontradas a navegar sem tripulação e das lendas que originaram.
Faz igualmente referência ao desaparecimento do “Pero de Alenquer” da marinha portuguesa de comércio.




António Paulo Xavier de Basto, meu tio em quarto grau, nascido a 1892, era segundo comandante do navio mercante Pero de Alenquer. Saiu de Portugal numa viagem aos Estado Unidos da América, no ano de 1915 (tinha 23 anos) e já com a primeira guerra mundial a decorrer. Chegando a Nova Iorque sem problema, carrega gasolina e petróleo.
A 28 de Fevereiro de 1916 este comunica com a ilha de S. Miguel que estava prestes a chegar, passaram-se horas e não havia sinal do navio. O Draga-minas Augusto de Castilho saiu em busca de Pero de Alenquer não encontrando nem destroços nem corpos. Já em 1918 aquele seria afundado pelo mesmo submarino alemão na tentativa de salvar um outro navio mercante.
Sabe-se que o navio Pero de Alenquer foi torpedeado, sofrendo uma grande explosão devido à sua carga e afundou a pique.
Mais tarde descobriu-se que o submarino alemão era o U-139 e Lothar Von Arnaldo de Lá Pierre seu comandante.
António Paulo Xavier de Basto morre no dia 29 de Fevereiro de 1916 com 24 anos.

(agradeço ao meu avô António Bastos pelas informações e apoio nesta pesquisa)


Inês Bastos 9º F

Sem comentários:

Enviar um comentário